Rua 248, 322 - Sala 6 -  PISO G4

Meia Praia 

 Itapema - Santa Catarina

Tel: (47) 3393-6848

3514-7675 

WhatsApp: (47) 99970-5225 

January 5, 2018

November 24, 2017

Please reload

Posts Recentes

Quantos exames de ultrassom posso ou devo fazer em minha gestação?

May 4, 2017

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

Cuidados com as crianças no verão.

January 16, 2018

 

Veja abaixo alguns cuidados para poder aproveitar o verão tranquila com seu filho.

 

1. Hidratação

No verão, o corpo transpira mais para poder manter a temperatura adequada. Por isso, é fundamental que os pais redobrem a atenção com a hidratação das crianças.

Além da água, é importante investir também em outras opções que ajudem a repor as vitaminas e os sais minerais e, ao mesmo tempo, que sejam agradáveis ao paladar dos pequenos para que o momento da hidratação seja prazeroso. Que tal oferecer, por exemplo, uma água de coco geladinha ou um suco de fruta natural? Além disso, evite os refrigerantes — por conterem quantidades excessivas de sódio e açúcares.

Se a criança começar a demonstrar muita sede, boca e mucosas secas e ficar muito tempo sem urinar — sintomas típicos do quadro de desidratação —, administre imediatamente o soro caseiro: 1 copo de água, 1 colher de sopa de açúcar e 1 colher de sobremesa de sal. Considere também a visita a um pediatra.

 

2. Invista em um cardápio leve e nutritivo

As intoxicações alimentares e as viroses são dois dos motivos que mais levam crianças aos prontos-socorros no verão. Isso porque, durante as férias, os pequenos costumam se alimentar com uma série de comidas que, além de possuir baixo teor nutritivo, não são adequadamente preparadas.

Por isso, por mais que a tentação seja grande — e os pedidos sejam muitos — evite oferecer às crianças alimentos cujas condições de preparo, armazenamento e refrigeração você desconhece. Passe longe de alimentos muito gordurosos e frituras.

Para evitar que os pequenos fiquem com fome logo ao chegarem na praia, invista em um café da manhã reforçado, com muitas frutas e baixo teor de sódio, e leve de casa lanches mais saudáveis e nutritivos do que aqueles habitualmente oferecidos à beira-mar.

 

3. Tenha atenção redobrada com as crianças na praia e na piscina

De acordo com o Ministério da Saúde, o afogamento é a principal causa de morte entre as crianças de até 4 anos de idade. Ainda que o seu filho tenha mais idade e saiba nadar, é importante ter atenção especial nesse momento.

Isso porque, mesmo que o mar ou o rio pareçam calmos, há a possibilidade de correnteza ou de uma onda repentina que pegue a criança desprevenida, fazendo com que ela se desespere e perca momentaneamente a capacidade de nadar.

Por isso, certifique-se sempre de que há um adulto vigiando a criança constantemente e a uma curta distância. Além disso, dependendo do local e do tamanho do seu filho, pode ser interessante investir em boias de braço.

Se a ideia é instalar uma piscina em casa, verifique se haverá espaço para colocar uma grade em volta, para evitar que as crianças caiam acidentalmente na água. No caso de bebês, é importante ficar atento também aos locais com pequenos volumes de água, como banheiras, privadas e até baldes, que já podem ser suficientes para causar um afogamento.

 

4. Fique de olho nos problemas de pele mais comuns em crianças no verão

Além das intoxicações alimentares e da desidratação, é comum que as crianças apresentem problemas de pele durante a estação mais quente do ano.

Além das micoses, que são infecções causadas por fungos, há ainda a possibilidade da criança contrair uma doença de pele chamada popularmente de “bicho geográfico”, causada pelo contato com as fezes dos cães, tão comuns nas praias brasileiras.

Para evitar esses inconvenientes, não permita que o seu filho sente diretamente na areia e peça que ele use sempre chinelos, não só na praia como em vestiários e em outras áreas comuns de piscinas e parques aquáticos.

 

 

5. Aprenda a aliviar o calor dos bebês

Se o calor excessivo já traz sofrimento para as crianças maiores, imagine para os bebês! Algumas medidas, no entanto, podem ajudar a amenizar o desconforto dos pequenos.

Por mais que o instinto materno nos impulsione a agasalhá-los, é importante investir em roupas bem leves nessa época do ano. Se você perceber que a criança está vermelha ou suando demais e o ambiente não tiver correntes de ar, considere até mesmo deixá-la apenas de fralda.

Outra dica que auxilia bastante são os banhos de balde que, além de refrescar, também relaxam o bebê, que tende a ficar mais irritado com as altas temperaturas. Mas atenção! Antes dos seis meses, por maior que seja o calor, evite dar água para a criança: o leite materno possui tudo que ela necessita para manter-se hidratada e confortável.

Por maior que seja o calor, é importante evitar que o jato de ar do ventilador atinja diretamente o bebê e também ficar atento para que o ar-condicionado não resseque o nariz da criança. Nesse caso, o ideal é investir em um umidificador de ambiente e evitar temperaturas muito baixas.

 

6. Aposte em brinquedos educativos e atividades ao ar livre

Para aproveitar a estação mais quente do ano, o ideal é apostar, sempre que possível, em atividades ao ar livre, que quebrem a monotonia e tirem as crianças da frente do computador. Uma boa ideia é planejar atividades em grupo, apoiadas por brinquedos educativos.

As crianças menores certamente podem se divertir juntas fazendo castelos de areia na praia ou com jogos de montar em um gramado abrigado do sol. Esse tipo de atividade é excelente para estimular o desenvolvimento cognitivo e a coordenação motora, além de demonstrar a importância do trabalho em grupo.

No caso das crianças maiores, que costumam ir dormir um pouco mais tarde nas férias — especialmente durante as viagens —, invista em jogos de tabuleiro, como o clássico Banco Imobiliário, que estimula a tomada de decisões e a administração de recursos, além, é claro, de manter a garotada entretida.

Outra atividade que costuma fazer bastante sucesso é organizar uma espécie de noite do pijama “ao ar livre”, em que as crianças possam ouvir histórias, observar as estrelas e acampar no jardimacompanhadas dos coleguinhas. Diversão garantida!

 

7. Tome cuidado com o horário de exposição ao sol

Sempre planeje as atividades ao ar livre de maneira que os pequenos não fiquem expostos ao sol nos horários em que ele é mais nocivo à saúde. A pele das crianças é mais fina e, por isso, elas estão mais sujeitas a sofrer uma insolação.

Portanto, se você pretende levá-las à praia, programe-se para acordar cedo, já que o ideal é que as crianças tomem sol até as 10 horas, ou então deixe para ir no final do dia, após as 15 horas, para que elas possam brincar mais à vontade.

 

 

8. Escolha roupas leves e capriche no protetor solar

Mesmo que você saia com as crianças no horário em que o sol é mais indicado para a pele delas, capriche no protetor solar. Não se esqueça de algumas áreas que costumam ser negligenciadas, como os pés, as orelhas, a nuca e as mãos. Reaplique o produto sempre que elas entrarem na água.

Além disso, dê preferência a roupas leves, claras e de tecidos como o algodão e linho, evitando as fibras sintéticas. Esse tipo de material ajuda a diminuir o calor e deixa a criança mais confortável para brincar.

 

9. Não deixe a criança dormir de cabelo molhado

Pode parecer uma excelente ideia deixar a criança dormir com o cabelo molhado no verão para que ela se sinta mais fresca, mas o hábito pode trazer mais problemas que benefícios.

Isso acontece porque a umidade nessa área do corpo pode propiciar o aparecimento de fungos e coceiras indesejadas. O ideal é que a criança lave o cabelo horas antes de dormir para que ele seque naturalmente.

 

 

 

Texto adaptado da revista Pais e Filhos e do Blog Pequenos Travessos, com revisão da pediatria da Clínica Saint Germain.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga